Nada em Por Outros

.
Póstumo II
Da série de poemas livres iniciada em minhas mortes: Póstumos.

Dos meus pertences todos não havia
um sequer sem maior desventura
(agora do plácido que me figura)
de tê-los meus enquanto os via

Por sidos de carnes os meus pertences
e ossos, os três filhos guardados,
foram esses meus dedos alados
de outrora os meus dedos tangentes.

Foram novos e estão sozinhos
o quanto não quiseram libertos
umbigos das minhas correntes

Estão velhos quando desperto
das minhas ilusões clementes
de comer minhoca e fazer ninhos.

(Caravaggio, por causa do Leandro)


 
[Saiu a Edição 40 das Escritoras Suicidas com os temas: um verso de Ana Cristina César / mesa de bar / jardineiros, flores, jardim. Está linda, linda!]