Há séculos, quando eu nascia.

Os arredores de minha alma
interrogavam-me sobre as partilhas
se eram de boas idas
Há séculos, quando eu nascia.

Tratava-se do meu corpo
quando me alertaram das dores
as tristezas tenras, as estribeiras
se eram de boas vindas.
A estas recebi, educada,
à sala da minha cabeça
encorajada e indômita.

Pois quando principiei na alegria
de pouca idade eu teria inventado
esta novidade que havia
esta invasão em meu corpo
esta fé, esta heresia.

Tratava-se do meu corpo
Não me interrogaram a tempo
os arredores de minha alma
se comportariam meus ossos
esta alegria, esta vida
Há séculos, quando eu nascia.

Se era de boas idas
este alimento que não se exonera
pelos tubos, pelas artérias,
uma figura caudalosa entornou-me:
pois esta alegria em meu cálcio
pois esta liberdade
essa manhã arredia.

Ainda hoje, quando eu nascia.


Desenho de António Ramos Rosa