rotunda

Não será preciso
tolher colher expurgar carpir
Tua fome inútil tua sede insolúvel tua boca inóspita
balbucia e retesa, franzina penugem, quer rir
Tu somos nós que lês e falaste quem somos
Tu que pensamos pobres homens, teu pranto
reconheces – plakat plakat
Teus rumores serenos inconduzíveis jamais
existiram, contudo emergiam de dobradiças
tuas dobradiças, teus joelhos velhos, somos ainda
uma velha crisálida de pássaros frígidos
nossos ovos famintos tuas duas ou menos
palavras – chicoteiam o céu das salinas
tuas lágrimas tolas. Teus pesares anis como as águas
dos olhos, jamais existiram, contudo emergiam
das fronteiriças, tuas fronteiriças colunas
tua vontade inóspita. Teu peito

retumba – plakat plakat...